Medicina do esporte: cuidado necessário para quem pratica atividade de alto rendimento

 

A prática do esporte de alto rendimento, ou seja, do exercício físico voltado para a competição, como corrida, ciclismo, triátlons, maratonas, basquete e futebol, é uma paixão que ganha cada vez mais adeptos. No entanto, a realização dessas atividades requer cuidados especiais, sendo um deles o acompanhamento médico especializado, conhecido como medicina do esporte.

O atleta de alto rendimento está mais sujeito a lesões e traumas, muitas vezes ocasionadas por excesso de treinamento ou estresse. As torções e as chamadas fraturas por estresse – desgaste do osso ocasionado por movimento repetitivo – são as causas mais comuns de traumas entre esses atletas. De acordo com o médico ortopedista Dr. Eduardo Luís Cruells Vieira, do Centro Avançado de Ortopedia de Sorocaba, co-autor do livro “Lesões do Esporte” (Editora Manole), a maioria dos casos de fraturas por estresse é resolvida com repouso, mas a cirurgia pode ser necessária. “A fratura por estresse foi muito comum entre os soldados israelenses que, aos 18 anos, muitas vezes sem nunca antes ter feito alguma atividade física, tinham que marchar o tempo todo”, conta.

Segundo Dr. Eduardo, para fugir das lesões por estresse os atletas devem tomar alguns cuidados preventivos: 1) O trabalho físico realizado deve ser crescente. O atleta não deve participar de todas as competições no ano. No lugar, deve buscar conquistar um objetivo principal; 2) O atleta precisa de força muscular e, para tanto, deve praticar exercícios de fortalecimento; 3) Utilizar calçado adequado para a prática esportiva; 4) Praticar atividades físicas em terreno apropriado. “O atleta de alto rendimento deve escolher uma competição. Não adianta participar de todas elas, pois o desgaste físico e o estresse aumentam as chances de lesões e traumas”, alerta.

O especialista diz, ainda, que as mulheres que exageram nos exercícios físicos podem sofrer de males conhecidos como “tríade da mulher atleta”, sendo os principais sintomas a ausência da menstruação, a anorexia e a osteoporose. “O exagero nunca é benéfico. Mesmo o esporte deve ser dosado e exige acompanhamento médico específico”, frisa.

Medicina do esporte é parte da rotina da Liga Sorocabana de Basquete

Rinaldo Rodrigues é técnico da Liga Sorocabana de Basquete Flextronics/LSB/Faculdade Academia de Ensino Superior/ Prefeitura Municipal de Sorocaba. O técnico, que em seu dia-a-dia de trabalho está acostumado com os “acidentes” que ocorrem com os integrantes de sua equipe, acredita que a medicina do esporte é extremamente importante para a prevenção de lesões e para uma recuperação mais rápida.
Ele acredita que, a cada dia, a medicina contribui mais para que o atleta machucado possa voltar a sua perfeita forma física. Sendo a torção do tornozelo o incidente mais comum para quem pratica basquete, Rinaldo frisa que a prevenção é uma grande aliada. “Exercícios de propriocepção, equilíbrio, fortalecimento e preparo dos músculos são muito eficientes”, fala o técnico que, ele mesmo, já teve que tratar de uma tendinite no joelho.
Henrique Pereira, de 20 anos, é estudante de Biologia e membro da Liga Sorocabana de Basquete. Ele teve inflamação no púbis, em novembro de 2008, em razão dos treinos excessivos e da intensidade de jogos durante o Campeonato Paulista de Basquete. Ele conta que sempre aquecia e alongava antes dos jogos, mas acha que o corpo precisava de descanso. “Pela importância do campeonato, eu não podia parar de jogar”, revela o atleta que se trata no Centro Avançado de Ortopedia de Sorocaba.
Ele acredita que, se não fosse a fisioterapia adequada, não conseguiria voltar à antiga forma física. “Eu, que já passei por um problema desses, aconselho todo atleta a prestar atenção no corpo e a se preocupar com as dores exageradas. Se machucar, nunca volte a jogar antes da hora, pois pode prejudicar a recuperação e até piorar”, diz.
Adonis Souza, de 18 anos, é outro exemplo de atleta da Liga que se contundiu. Há duas semanas, sofreu uma torção média no tornozelo esquerdo. “Graças a Deus não houve fratura. Por uma fatalidade, no fim do treino, pisei sem querer no pé do meu parceiro e torci”, conta. Por isso, Adonis faz fisioterapia todos os dias para fortalecer os músculos e conta que a dor começa a diminuir. Na opinião do atleta, a medicina esportiva é fundamental para auxiliar na prática de esportes, como basquete, futebol e vôlei, onde existem muitos riscos de lesão. “Como atleta aconselho que outros atletas cuidem bem do corpo, pois é do esporte que tiramos nosso ganha-pão. Usem sempre tornozeleiras e tomem cuidado, tanto nos jogos, como nos treinos”.